Turismo na região Norte do Brasil: regiões que você precisa conhecer



Você sabia que 42% do território nacional é formado pelos estados nortistas? Além disso, a região tem a maior biodiversidade do planeta. Por isso, o turismo por lá é uma ótima opção para você se conectar com a natureza e conhecer a diversidade cultural, religiosa e gastronômica. Sem dúvida, é uma experiência inesquecível!


Abaixo, confira o que cada estado dessa região tão rica reserva e programa-se para conhecer.


Antes de viajar, certifique-se quanto aos protocolos de reabertura do destino.


Acre:

O Acre faz fronteira com a Bolívia e o Peru e é um estado que ainda mantém aproximadamente 90% de sua cobertura florestal natural.


Sua economia é baseada no extrativismo vegetal, principalmente na exploração da borracha, que foi responsável pelo povoamento local. O estado é grande produtor de castanha, açaí e óleo de copaíba, e seu principal produto de exportação é a madeira.


Dentre seus mais de 700 mil habitantes, cerca de 15 mil são índios que vivem em 32 reservas indígenas e preservam ainda suas tradições étnicas.


A herança cultural dos índios está bastante presente no artesanato e na culinária, e também influencia o modo de vida dos acreanos, que têm forte integração com a floresta e seus mitos.


Para vivenciar essa relação entre o homem e a floresta, nada melhor do que percorrer os Caminhos de Chico Mendes, líder sindicalista conhecido mundialmente por sua luta em defesa do uso sustentável dos recursos naturais da Amazônia.


Outro atrativo interessante do estado é o Parque Nacional da Serra do Divisor, unidade de conservação que contém uma das maiores biodiversidades do mundo.


Amapá:

O Amapá tem uma ligação forte com as ricas tradições culturais da Floresta Amazônica e mescla heranças indígenas, africanas e portuguesas.


Com menos de 1% de sua área desmatada, o estado oferece atrativos como a viagem à Serra do Navio pela estrada de ferro, na qual é possível apreciar a vegetação e a fauna amazônicas.


A capital do estado, Macapá, é a única da região Norte banhada pelo gigantesco rio Amazonas. Ali pode ser observado, em março e em setembro, o equinócio, fenômeno em que os dois hemisférios terrestres ficam iluminados pelo sol, fazendo com que o dia e a noite tenham igualmente 12 horas de duração.


Outro acontecimento natural que pode ser visto no Amapá é a pororoca, quando as águas do oceano se encontram com as águas dos rios e formam ondas de até 5 m de altura. Nos locais onde o fenômeno ocorre, como o canal do inferno da Ilha de Maracá, vários aventureiros costumam surfar.


Amazonas:

Pleno de encantos naturais e com uma culinária exótica e diversificada, o Amazonas é o coração da Floresta Amazônica, a maior floresta tropical do mundo.


O maior estado brasileiro tem 98% de sua área florestal intacta e os requintados hotéis de selva próximos à sua capital, Manaus, propiciam uma excelente maneira de observar a fauna e a flora locais.


Conhecida como a Paris dos Trópicos, Manaus é a principal metrópole do estado e tem atrações como o Teatro Amazonas, com sua cúpula colorida de cerâmica esmaltada, e balneários como a Ponta Negra e a Praia da Lua.


O famoso Encontro das Águas, fenômeno resultante da confluência entre as águas do rio Negro (pretas) e do rio Solimões (barrentas), também é um dos principais atrativos da cidade.


A 100 km de Manaus, perto do município de Novo Airão, fica um dos maiores arquipélagos fluviais do mundo: Anavilhanas, onde 400 ilhas formam uma das mais belas paisagens naturais amazônicas.


Em Parintins, a 325 km da capital, acontece todo ano, no mês de junho, o tradicional festival do boi bumbá, que movimenta bastante o estado.


O Pico da Neblina, ponto mais alto do Brasil, também fica em território amazonense.


Pará:

Estado mais populoso da região Norte, o Pará é cenário para a leveza de danças típicas, como o carimbó, e para a sensualidade de personagens de lendas amazônicas, como o boto e o uirapuru.


Sua capital, Belém, tem infraestrutura turística adequada para que os visitantes conheçam o núcleo urbano e também os arredores.


Localidades como Santarém, berço da grande nação indígena dos Tapajós, e a vila Alter do Chão, com praias fluviais de águas transparentes e areias branquinhas, convidam você a descansar e se aventurar pela região.


A gastronomia do estado tem grande influência da cultura indígena, não apenas no preparo dos pratos, mas também nos nomes, como maniçoba, tacacá e o famoso pato no tucupi. Caldo amarelo extraído da mandioca, o tucupi é uma das principais bases da culinária local.

O artesanato paraense é marcado por peças inspiradas nos povos indígenas, com o uso de sementes e de outras matérias-primas encontradas na natureza.


A Floresta Nacional do Tapajós, unidade de conservação com cerca de 600 mil hectares, é um grande atrativo do estado, e apresenta fauna variada e árvores frondosas centenárias, como a castanheira e a andiroba.


A maior ilha fluviomarínha do mundo – Ilha de Marajó – fica no Pará. Localizada na foz do rio Amazonas, ela tem praias de rios com águas calmas, matas e igarapés, além das fazendas de criação de búfalos, animais presentes na culinária, no artesanato e no transporte local.


Rondônia:

Graças às suas manifestações culturais e belezas naturais, Rondônia é hoje um estado importante para o turismo brasileiro.


Com hotéis de selva e culinária exótica à base de pescados, o estado preserva as influências históricas e se destaca por sua linda paisagem fluvial.


O Vale do Guaporé é um dos principais atrativos de Rondônia e abriga uma enorme variedade de ambientes ainda pouco impactados pela ação humana. Por ser um local de transição climática entre dois ecossistemas (Amazônia e Pantanal), apresenta grande diversidade de fauna e flora.


Se você é aventureiro, também encontra em Rondônia opções como a prática de canoagem no rio Machado, além de rapel e trekkings pela Floresta Amazônica.


Roraima:

Situado no extremo Norte do Brasil, o estado de Roraima apresenta belezas naturais únicas, em diversos tipos de paisagens, como savanas entrecortadas por cachoeiras e regiões montanhosas.


Com uma das maiores populações indígenas do país, o estado oferece um patrimônio histórico-cultural riquíssimo em costumes, mitos, músicas, danças, lendas e crenças.

A influência da cultura indígena pode ser percebida no artesanato, em objetos como esculturas de cerâmica, acessórios com diversos tipos de sementes e obras em madeira, bambu, palha e fibra.


A culinária local também é marcada pela herança cultural dos índios, e tem iguarias como o tacacá (sopa típica da Amazônia com temperos variados, camarão e jambu) e a paçoca (farofa feita com farinha, carne seca e cebola).


Inscrições rupestres mostram que o local já era habitado há milhares de anos, e podem ser encontradas em lugares como a Pedra Pintada, a 140 km da capital do estado.


Um importante cartão postal da região é o Monte Roraima, um imenso platô em forma de mesa e um dos lugares mais altos e antigos da Terra.


Tocantins:

Criado em 1989, Tocantins chama atenção por suas belezas naturais como rios, chapadas e serras. A população indígena se divide em sete etnias, totalizando mais de 10 mil índios.


Apesar da pouca idade, o estado tem uma cultura antiga e preserva essa tradição nas danças folclóricas e nas festas religiosas.


A capital do estado, Palmas, foi planejada e tem excelente qualidade de vida. O lago da cidade, com 180 km de extensão, tem excelente potencial para a pesca esportiva.


É no Tocantins que fica a Ilha do Bananal, a maior ilha fluvial do mundo. Submersa durante grande parte do ano, ela tem uma rica biodiversidade graças ao encontro entre a Floresta Amazônica e o Cerrado.


Para quem gosta de ecoturismo, o Jalapão é o passeio ideal, com suas árvores de galhos retorcidos e rios de águas cristalinas, numa paisagem formada por dunas, chapadões, cachoeiras e trilhas. O local também é muito procurado por quem curte aventura e oferece opções para a prática de rapel, escalada, surfe de areia, trekking e canoagem.

857 visualizações

Posts recentes

Ver tudo